Sábado, 25 de Abril de 2009

Este é um país de estradas assassinas, onde morrem aos três e aos quatro duma só vez (e isto fora de épocas festivas), onde se bebe mais que a conta, porque a viagem era curta e nem sequer valia a pena pôr o cinto, quanto mais ter um seguro!
Auto-estradas de gosto duvidoso, que atropelam casas e o pouco verde que há, com portagens "surpresaaaa!!!!, ai acreditou que não ia pagar?"

Um país onde fim de semana sem bola é fim de semana perdido, pegar num livro nem pensar, que tem demasiada folha e palavras para mastigar. Diz que a cultura está cara, o teatro é um luxo, mas olha o Coliseu cheio para adorar "Floribellas", outrora vitimas de infâncias miseráveis.
Não há dia em que não se ouça um "hádes" ou "fizestes", que o português não dá para mais, e mais aulas é má ideia, que as crianças de hoje são frágeis, desconcentradas, qual má educação, qual quê, são é hiperactivas e sobredotadas, coitadinhas, e que nenhuma mão se atreva a aproximar-se em jeito de palmada.

O país da televisão fácil, da piada fácil, do choro fácil, do pensamento fácil, porque os gostos educam-se, e a educação é uma prioridade governamental, mas ninguém está para aí virado. Quanto muito distribui-se Magalhães pelas criancinhas e em troca de um portfolio ofereçe-se um 12º ao cantoneiro de limpeza.

Um país que não aguenta três pingos de água, tudo se entope, e quem não tem barco não vinga. Se chove vão-se as colheitas. Se faz sol também. Depois chega o Verão e assistimos ao "País em Chamas"- o filme -Parte 25.

O país dos inquéritos pós-desgraça, das providências cautelares, do "para o ano é que isto se resolve", das investigações megalómanas, tão justiceiras que, invariavelmente, caem em saco roto. A corrupção impera e o Sr. Alfredo (tão boa pessoa que é) não é excepção, os sacos são azuis, o apito é dourado e as offshores na Suiça dão sempre jeito.

Deambulam os conformados, os subservientes, que quando abordados proferem um "vai-se andando, como Deus quer" e na sua ida ao cafézinho pedem também um copo de àgua "se não for incómodo".

O país dos feriados e das pontes, abençoados sejam, que tanto jeito dão para ir à terra, porque as horas de emprego são muitas, as de trabalho nem tanto.

A violência infantil, doméstica, de homens contra mulheres, de mulheres contra homens, dos jovens e dos velhinhos, é tema de abertura do Jornal das 20h.

O país que celebra um desemprego de 7,4%, menos uma décima que no ano anterior, haverá lá alegria maior!
E os poucos que se levantam antes das 8h são remunerados com o salário mínimo mais mínimo, apelidados de contorcionistas orçamentais para que chegue para o passe, para as contas, para o tabaco, para a Playstation do mais novo e para uma esmola semanal ao pobrezinho de estimação (tudo para a remissão dos pecados). Já os que gozam do subsídio de desemprego levantam-se à hora que querem e almoçam fora.

O país que (ainda!) aponta o dedo a quem aborta, acto esse tão feio e pecaminoso, antes ter doze filhos e não ter o que lhes dar para comer. Se bem que ao apresentar-se numa qualquer instituição social com doze criancinhas ranhosas, andrajosas e com brinquedos partidos garantidamente lhe será atribuído o subsídio disto e daquilo e do outro, o Banco Alimentar ajuda, e o SASE compra os pinceis Caran D´ache exigidos pela professora de EVT. E se vamos falar de professores convem dizer que ensinar de elmo e escudo já foi uma realidade mais distante, mas reter os meninos não é medida porque traumatiza, além disso a progressão de carreira depende da quantidade de transições.

Os doentes que ficam à espera de 3 anos por uma consulta e 7 por uma operação, pois é já quando jazem que se arranja vaga no bloco operatório e euforia das euforias, nem pagava taxa moderadora!

O país onde o centro comercial é a ideia de diversão da família de classe média porque sempre se alegram as vistas, mas a camisola da Massimo Dutti fica lá.

O país em que os verdadeiramente bons emigram porque para se ser reconhecido aqui há que o ser primeiro em Madrid, em Londres, Nova Iorque, Lanzarote, e depois então, só depois, a D. Judite de Arganil irá dizer "epá, parece que este rapaz tem jeito, ganhou um prémio lá fora e tudo".

Onde o jet-set decadente, alpinista, oportunista, cor-de-rosa escuro, muito escuro, quase negro, o beautiful (?) people mais esticado que uma corda de guitarra tem direito a tempo de antena em programas da tarde. A mania dos que nada valem (um viva às aparências) que correm ao crédito à habitação, ao carro como o do Figo, ao casamento com copo d´água, ao guarda-roupa, às prendas de Natal, ao cão com pedigree, às unhas de gel e às mamas 38.

As cunhas são precisas, úteis (tivesse eu uma!), a ascensão é directa e horizontal.

O país que adora a desgraça do vizinho, tragédia sem morte -muitas- não conta, há que parar para ver o acidente, tragam-nos uma cerveja que ninguém arreda pé!

O país onde todos cantam, todos dançam, todos lançam livros, todos têm um qualquer talento que vale a pena aplaudir.

É o país do encolher de ombros, do "é o que se arranja", do "é este o país que temos", "antes isso que partir uma perna", porque a abstenção voltou a rondar os 50%.

 

 

 

Um obrigado a todos os detentores de uma coragem invencível que permitiram a concretização/celebração deste dia e um manguito aos que não souberam preservar os valores decretados a 25 de Abril de '74. Vão bardamerda, sim?



Parvoíce publicada por tarina às 19:53 | | Quem opina é cutxi-cutxi | Cutxi-cutxi´s opinativos (1) | favorito

Sexta-feira, 10 de Abril de 2009

Hoje, e porque faço 24 anos, acho que devo partilhar 24 coisas sobre mim.

1- Tenho 27 cuecas (sim, estive mesmo a contá-las, e tinha 32 mas acabei por deitar 5 para o lixo).
2- Sou a favor da pena de morte e da eutanásia.
3- Gosto de comer pipocas durante uma sessão de cinema e quero lá saber se vos incomoda o "crrranch, crrranch".
4- O meu humorísta preferido do "Levanta-te & Ri" era o Aldo Lima (o Bruno Nogueira estava em 2º lugar) e o sketch que mais me fez rir foi aquele que ele arrasou com os árbitros de futebol.
5- Não sei o que é uma courgette. Acho que é pareçido com o alho françês mas não tenho a certeza.
6- Não me identifico com roupa vermelha. Aceito uma bandelete, uma pregadeira, uma mala vermelha mas mais do que isso não consigo usar.
7- Apesar de gostar dos dois do mesmo modo, dou-me melhor com o meu Pai do que com a minha Mãe.
8- Não tenho amigas loiras (mas aviso que não é requesito ser morena para ser minha amiga).
9- Quando o meu Pai me viu pela 1ª vez, horas depois de eu ter nascido, mandou a minha Mãe descalçar-me as botinhas para me ver os pés porque dias antes tinha sonhado que eu nascia com os pés tortos.
10- Se eu fosse uma celebridade, queria ser a Kate Beckinsale. Queria ter como melhores amigas a Gisele Bundchen e a Eva Longoria. E queria dar uns beijinhos ao Collin Farrel. E queria que ele usasse um gorro enquanto os beijinhos aconteciam.
11- Adoro a maquilhagem tipica dos anos 50, aquele ar muito clean com um simples eyeliner e depois toda a atenção se concentra nuns lábios pintados de vermelho, mas acho que tenho os lábios muito grossos para isso.
12- Não gosto de pombos. Aliás, odeio bichos com penas. Nem para comer prestam. Bah!
13- Sou daquelas pessoas que se me dizem "mas olha não contes a ninguém, é segredo", quero guardá-lo tão bem guardadinho que duas horas depois já me esqueci.
14- Detesto queixos em w ou com covinha.
15- Se alguém cair à minha frente, inevitavelmente, vou rir-me da desgraça alheia. Depois corro a ajudar mas primeiro largo uma gargalhada (uma ou duas).
16- Não acredito em extraterrestres nem em Deus, mas não excluo a hipótese de um dia, ao me sentir demasiado desesperada recorrer a ajuda divina para ultrapassar esse momento.
17- Nunca comi um sunday de morango.
18- Não aceito castanho e preto conjugados. Não aceito e pronto!
19- Quando eu era uma pita ranhosa de meio metro, riscava as paredes da dispensa da minha avó e depois com um pauzinho apontava para aquilo que julgaria ser as Berlengas e iniciava o meu discurso: O Norte de Portugal vai ser fustigado por uma tempestade de neve oriunda da Islândia. Já na Madeira registar-se-ão temperaturas acima dos 40º C devido à massa de ar quente que se desloca para os Himalaias. Acho que naquela altura o meu ídolo era a Alexandra Fernandes.
20- Adoro ganchos, bandeletes, gorros, chapéus... Tudo o que seja acessório para a cabeça.
21- Por mais anos que viva, nunca vou compreender o porquê de se pegar num dente e envolvê-lo em ouro para depois se colocar numa argola.
22- Gosto do efeito da chuva a cair num lago.
23- Não gosto de cores indefinidas, tipo "salmão", o que raio é "salmão"? Nem é rosa nem laranja claro! E "crú"? Mas que côr é essa? "Crú"? Nem é branco sujo, nem cinzento claro, não. É crú. Pergunto-me de onde tiraram tal percepção!...
24- Sou péssima em graus de parentesco. Se a meio de uma conversa alguém me diz "os filhos do teu tio" perco sempre alguns segundos até perceber que estão a referir-se aos meus primos e se começam com "o irmão do marido da irmã da minha tia", esqueçam (!), já me perdi no "marido da irmã".

E pronto! É isto. Sou assim.
 



Parvoíce publicada por tarina às 18:36 | | Quem opina é cutxi-cutxi | favorito

Segunda-feira, 6 de Abril de 2009

Como é do conhecimento geral (e se não é devia ser) dia 10 do presente mês faço 24 anos.

Podia repetir a façanha e publicar aqui uma lista (incessante!) de tudo aquilo que quero/preciso, tal como pastilhas para a Roxy, a segunda dose da vacina Gardasil, um quarto numa qualquer residencial situada na Gran Via (uma vez que tenho a viagem paga e não tenho dinheiro para a estadia), ou umas sessões de endermologia, e mantinha-me muito quietinha a aguardar na ânsia de que um (ou mais) dos meus preciosos leitores me oferecesse um (ou mais) dos itens mencionados, mas já há muito que deixei de acreditar no Pai Natal.

Por isso, digo-vos que a minha felicidade será atingida com um ovo Kinder. Yap, that´s right folks!
De preferência dos grandes (daqueles da Páscoa que prometem uma surpresa alucinante!) mas se optarem por um dos pequeninos também me delicio. Nham nham!!



Parvoíce publicada por tarina às 21:12 | | Quem opina é cutxi-cutxi | favorito

Sexta-feira, 3 de Abril de 2009

Seres desconhecidos munidos de autocolantes de uma qualquer instituição sem fins lucrativos (gostam eles de frisar) com a expresssão facial "Meti-me na droga e agora não passo de um moribundo de dentes amarelos e unhas com fungos, por favor dê-me 0,20€" estagnados à vossa frente enquanto esperam que a pessoa incomodada se desloque à sua carteira para lhe estender a mão com uma moeda, também vos batem à porta?



Parvoíce publicada por tarina às 21:06 | | Quem opina é cutxi-cutxi | Cutxi-cutxi´s opinativos (1) | favorito

AO CONTRÁRIO DO QUE O TÍTULO SUGERE ESTE BLOG EM NADA SE RELACIONA COM ROUPA. OS QUE PROCURAM, AQUI, ARTIGOS RELACIONADOS COM ESSA TEMÁTICA DESENCANTEM-SE!
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Vestidinhos de alças

♪♫♪

...

Quisesse eu dizê-lo de um...

Mantra do dia

Coisas que precisas saber...

Coisas de dentro

...

Vestidinhos vintage

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008